25 de out de 2009

O Perfil Sensorial da Criança Autista

O número de diagnóstico de Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (TID) vem crescendo de uma forma surpreendente nos últimos anos. Muitos esforços têm sido dirigidos para se entender melhor esse diagnóstico e ao aperfeiçoamento de métodos que possam ajudar no tratamento dessas crianças.
O diagnóstico de autismo se aplica quando há evidências nos problemas de interação social, na comunicação e nos comportamentos estereotipados.
Estudos recentes mostram que mais de 90% das crianças com TID têm um déficit no processamento sensorial, o qual interfere em suas habilidades de interagir com o mundo.



Uma abordagem que tem sido muito utilizada com esta clientela é da integração sensorial. A integração sensorial é um processo neurológico que ocorre em todos nós. Nosso cérebro está programado para organizar e integrar as informações sensoriais que recebemos do ambiente. A integração sensorial nos possibilita respostas adaptativas e eficientes de cada sistema sensorial.


INTEGRAÇÃO SENSORIAL é “um processo neurológico que organiza as sensações do próprio corpo e do ambiente, de forma a ser possível o uso eficiente do corpo no ambiente.” (Jean Ayres)




O objetivo de terapia para crianças com autismo é melhorar o processamento sensorial de modo que as sensações sejam efetivamente registradas e moduladas encorajando a forma respostas adaptativas simples e aprender a organizar seu comportamento ... (Jean Ayres)


O Perfil Sensorial, de Winnie Dun, um questionário padronizado utilizado para avaliar crianças com distúrbios de integração sensorial (DIS), fornece uma riqueza de dados na variabilidade do processamento sensorial da criança autista, ao se comparar com crianças sem o diagnóstico de autismo, mas com DIS.
Foram realizados 40 questionários com crianças de 4 à 12 anos. Este grupo foi dividido entre crianças com o diagnóstico de autismo e crianças sem esse diagnóstico, mas com a disfunção de integração sensorial presente.


O gráfico abaixo nos mostra que o processamento sensorial na criança autista é bem atípico.




Comparação por Padrão Padrão Sensorial


Comparação por Sentido



Existem diferenças significativas entre o Perfil Sensorial da criança com TID e crianças com DIS. Essas diferenças afetam a forma pela qual a criança aprende e interage com o mundo. Seu comportamento pode ser melhor compreendido à partir de seu processamento sensorial. Entender melhor como funciona o processamento sensorial destas crianças, nos auxilia em nosso raciocínio clínico, assim como uma melhor orientação aos pais e profissionais que trabalham com esta clientela.



Bibliografia
Ayres, A. Jean – Sensory Integration and the Child Western Psychological Services – 1979.
Ayres, A. Jean – Sensory Integration and Learning Disorders. Western Psychological Services – 1972.
Fisher, A; Bundy, Anita; Murray, Elizabeth – Sensory Integration – Theory and Practice F.A. Davis Company - 1991
Kientz MA, Dunn W. A comparison of the performance of children with and without autism on the Sensory Profile. Am J Occup Ther. 1997 Jul-Aug;51(7):530-7.
Lambertuci, M.C.F.; Magalhães, L.C. Terapia Ocupacional nos transtornos invasivos do desenvolvimento. In: Camargos Jr. (ed): Transtornos invasivos do desenvolvimento – 3º milênio – Cap. XXXVII. Brasilia, DF: CORDE, 2002.
Yack, E., Sutton, S., Aquilla, P. Building Bridges through sensory integration – Therapy for children with autism and other pervasive developmental disorders. Sernsory Resources, 2002.



POSTER apresentado no XI Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional; Ariela Goldstein e Heloiza Goodrich
.

Por que a Terapia Ocupacional é importante para o Autismo ?

Estima-se que 60 a 70% das crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresente um distúrbio sensorial (Adamson, 2006). Estudos têm ...