19 de jun de 2010

Histórias Sociais

As histórias sociaisl são usadas para ensinar habilidades sociais às crianças com autismo. A história social é uma simples descrição de uma situação cotidiana social, escrito a partir da perspectiva de uma criança. As histórias sociais podem ser usadas em diferentes situações. Por exemplo: a histórias sociais pode ajudar uma criança a se preparar para as próximas mudanças na rotina; ou aprender as interações sociais adequadas para situações que se deparam. O idéia é que a criança ensaie a história antes do tempo, com um adulto. Então, quando a situação realmente acontece, a criança pode usar a história para ajudar a orientar o seu comportamento.



Cada história social usa diversos tipos de frases:


· frases descritivas (De) que mostra: o que, onde e por que. Detalhes sobre a situação para que a criança seja capaz de reconhecer quando a situação realmente ocorre.


· frases Diretiva (Di) diz a criança as respostas sociais adequadas nessa situação.


· frases Perspectivas (P) descrevem às crianças, possíveis sentimentos ou respostas.


· frases afirmativas (A) se refere a uma regra ou opinião partilhada.


· frases Cooperativa (Co) descrevem como as outras pessoas irão ajudar em uma situação dada.


· frases de Controle (Cn) são criados pela criança, para ajudar a lembrar as estratégias de acomodação.


Por exemplo, um história social utilizando todos os seis tipos de frase é:


Quando vamos à loja de calçados, Haverá muitos sapatos para escolher. (De)

Eu não poderia saber quais são os sapatos que eu gosto. (P)



Que está tudo bem com todos. (A)



Eu posso “brincar” com minha corda, enquanto eu decido. (CN)


Quando eu decidir sobre os sapatos, vou dizer o adulto. (Di)



O adulto vai conseguir sapatos para mim. (Co)



As histórias sócias, geralmente são escritas por professores, terapeutas ou pais. E são escritas de forma individual, para cada criança.



As histórias sociais são escritas em primeira pessoa, no tempo presente, e do ponto de vista da criança. Os pais, professores e terapeutas devem escrever a história de acordo com vocabulário e compreensão do nível da criança. A história é escrita e colocada em formato de livreto. Assim que estiver pronto, um adulto deverá ler a história com o filho pelo menos duas vezes, mesmo se a criança é capaz de ler. O adulto então verifica se a criança compreende os elementos importantes, utilizando uma lista ou role-playing a situação ("Vamos fingir que estamos na loja de sapatos. O que acontece depois?") Depois disso, a criança revê a história de cada dia . Para as crianças que não podem ler, o áudio ou livros de imagens da história pode ser feito para que a criança se a cada dia. Por fim, o eficácia de cada história será quando o comportamento foi aprendido.


As histórias sócias podem ser esclarecedoras e agradáveis. Uma criança respondeu: "Agora eu sei o que fazer!" , após a primeira leitura de um história social sobre o comportamento na hora do almoço. Mais tarde, depois de usar a história por cerca de seis semanas, a criança comentou: "Eu nem sequer preciso ler a história. Agora eu me lembro dele.”




Por que a Terapia Ocupacional é importante para o Autismo ?

Estima-se que 60 a 70% das crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresente um distúrbio sensorial (Adamson, 2006). Estudos têm ...