4 de mar de 2010

Transtornos de Discriminação Sensorial



Discriminação é a habilidade para interpretar as características temporais e espaciais dos diferentes estímulos sensoriais. É a habilidade que nos permite fazer coisas, como, por exemplo, localizar uma moeda dentro da bolsa, abotoar a blusa e girar o lápis rapidamente para usar a borracha na extremidade oposta, sem uso da visão. Boa discriminação das sensações de movimento pelo sistema vestibular nos informa se somos nós ou o ambiente que está em movimento, o que é essencial para a manutenção do equilíbrio e estabilidade do campo visual. Discriminação tátil nas mãos e nos dedos parece relacionada à destreza e à habilidade com que usamos as mãos para manusear objetos e, por exemplo, escrever. Sem boa discriminação visual a criança tem dificuldade para identificar letras parecidas, como d, b, p e . As falhas de discriminação sensorial são identificadas por meio de testes específicos, no caso o SCSIT e o SIPT, e não são examinadas de forma isolada, pois, geralmente, contribuem para outros problemas, como os transtornos motores de base sensorial.

A criança tem dificuldade para:
» Abotoar a blusa ou manusear objetos sem monitoramento visual.
» Identificar, sem olhar, formas geométricas ou objeto familiar colocado em suas mãos.
» Graduar a quantidade de força (ex: escreve fraco demais, apaga com força e rasga o papel).
» Escutar e se orientar quando é chamado, especialmente se há algum barulho de fundo.
» Se orientar espacialmente (ex: se perde na escola ou em lugares conhecidos).
» Alinhar e organizar números ou letras na folha de papel.
» Diferenciar cheiro ou sabor da comida (ex: não ter preferências alimentares).

Comportamento social:
» É mais lenta que os colegas para concluir tarefas.
» Pode parecer desligada, desinteressada do ambiente.
» Tem dificuldade para seguir instruções, é necessário repetir comandos.
» Se perde facilmente.
» Não gosta de fazer quebra-cabeça ou jogos de montagem.

Fonte: Intervenções da Terapia Ocupacional; texto de Lívia Magalhaes.

Por que a Terapia Ocupacional é importante para o Autismo ?

Estima-se que 60 a 70% das crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresente um distúrbio sensorial (Adamson, 2006). Estudos têm ...