19 de jun de 2010

Histórias Sociais

As histórias sociaisl são usadas para ensinar habilidades sociais às crianças com autismo. A história social é uma simples descrição de uma situação cotidiana social, escrito a partir da perspectiva de uma criança. As histórias sociais podem ser usadas em diferentes situações. Por exemplo: a histórias sociais pode ajudar uma criança a se preparar para as próximas mudanças na rotina; ou aprender as interações sociais adequadas para situações que se deparam. O idéia é que a criança ensaie a história antes do tempo, com um adulto. Então, quando a situação realmente acontece, a criança pode usar a história para ajudar a orientar o seu comportamento.



Cada história social usa diversos tipos de frases:


· frases descritivas (De) que mostra: o que, onde e por que. Detalhes sobre a situação para que a criança seja capaz de reconhecer quando a situação realmente ocorre.


· frases Diretiva (Di) diz a criança as respostas sociais adequadas nessa situação.


· frases Perspectivas (P) descrevem às crianças, possíveis sentimentos ou respostas.


· frases afirmativas (A) se refere a uma regra ou opinião partilhada.


· frases Cooperativa (Co) descrevem como as outras pessoas irão ajudar em uma situação dada.


· frases de Controle (Cn) são criados pela criança, para ajudar a lembrar as estratégias de acomodação.


Por exemplo, um história social utilizando todos os seis tipos de frase é:


Quando vamos à loja de calçados, Haverá muitos sapatos para escolher. (De)

Eu não poderia saber quais são os sapatos que eu gosto. (P)



Que está tudo bem com todos. (A)



Eu posso “brincar” com minha corda, enquanto eu decido. (CN)


Quando eu decidir sobre os sapatos, vou dizer o adulto. (Di)



O adulto vai conseguir sapatos para mim. (Co)



As histórias sócias, geralmente são escritas por professores, terapeutas ou pais. E são escritas de forma individual, para cada criança.



As histórias sociais são escritas em primeira pessoa, no tempo presente, e do ponto de vista da criança. Os pais, professores e terapeutas devem escrever a história de acordo com vocabulário e compreensão do nível da criança. A história é escrita e colocada em formato de livreto. Assim que estiver pronto, um adulto deverá ler a história com o filho pelo menos duas vezes, mesmo se a criança é capaz de ler. O adulto então verifica se a criança compreende os elementos importantes, utilizando uma lista ou role-playing a situação ("Vamos fingir que estamos na loja de sapatos. O que acontece depois?") Depois disso, a criança revê a história de cada dia . Para as crianças que não podem ler, o áudio ou livros de imagens da história pode ser feito para que a criança se a cada dia. Por fim, o eficácia de cada história será quando o comportamento foi aprendido.


As histórias sócias podem ser esclarecedoras e agradáveis. Uma criança respondeu: "Agora eu sei o que fazer!" , após a primeira leitura de um história social sobre o comportamento na hora do almoço. Mais tarde, depois de usar a história por cerca de seis semanas, a criança comentou: "Eu nem sequer preciso ler a história. Agora eu me lembro dele.”




17 de jun de 2010

Floortime

Floortime, que é uma maneira sistemática de trabalhar com uma criança e ajudá-la a subir os degraus do desenvolvimento, é o coração da abordagem desenvolvimentista da terapia. Ela leva a criança de volta ao primeiro marco que ela perdeu e começa um novo processo de desenvolvimento. Ao se trabalhar intensivamente com pais e terapeutas, a criança pode subir os degraus dos marcos, um por vez, para começar a adquirir as habilidades que lhe faltava.

A maioria das crianças com necessidades especiais está envolvida com terapeutas e educadores que as estão ajudando a dominar as dificuldades de desenvolvimento. Mas, para subir os degraus do desenvolvimento, uma criança precisa de um trabalho intensivo individual. Mesmo a terapia da fala ou ocupacional não oferece uma prática suficiente. Afinal, uma criança passa 12 ou mais horas acordada e durante esse tempo ela está aprendendo alguma coisa. A questão é: o quê? Ela está aprendendo sobre TV (comunicação unidirecional)? Ela está aprendendo como olhar pela janela ou abrir e fechar repetidamente a porta ou alinhar os brinquedos? Ela está aprendendo o prazer de se envolver com os outros e a satisfação de tomar a iniciativa, fazendo entender os seus desejos e as suas necessidades e obtendo respostas? Ela está aprendendo a ter longos diálogos, primeiro sem palavras e depois com palavras e, por fim, a imaginar e pensar? Floortime cria oportunidades para uma criança aprender esses níveis de desenvolvimento críticos. Ele pode ser implementado tanto como um procedimento e como uma filosofia em casa, na escola, quanto fazer parte das diferentes terapias da criança.


A abordagem desenvolvimentista da terapia consiste de três partes.

1. Pais fazem Floortime com seu filho, criando os tipos de experiência que promovem o domínio dos marcos.


2. Fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e fisioterapeutas, educadores e/ou psicoterapeutas trabalham com a criança utilizando técnicas especializadas fornecidas pelos princípios de Floortime para lidar com as dificuldades específicas da criança e facilitar o desenvolvimento.


3. Os pais trabalham com suas próprias respostas e estilos de relacionamento em relação aos diferentes marcos, a fim de maximizar suas interações com o seu filho e criar um padrão familiar que dê suporte ao crescimento emocional e intelectual de todos os membros da família.

Ao mesmo tempo em que todos os três processos são importantes, Floortime é o centro onde os outros dois giram ao redor, porque é principalmente através do Floortime que o seu filho aprenderá a interagir de uma maneira que estimule o seu crescimento. À medida que as suas necessidades específicas vão sendo atendidas com a terapia, ele trará as suas novas habilidades para as interações no Floortime. Quando aprender como as suas próprias respostas influenciam o seu filho, você colocará esse aprendizado em uso no Floortime. Nas interações e brincadeiras livres do Floortime, você pode ajudar o seu filho a construir habilidades interpessoais, emocionais e intelectuais.

Floortime é precisamente isso: um período de 20 a 30 minutos onde você se senta no chão com o seu filho e interage e brinca. Como podem as interações divertidas ajudarem o seu filho a dominar os marcos? A resposta tem a ver com a natureza das interações. Certos tipos de interação com outras pessoas promovem o crescimento da criança.


Primeiro, no entanto, queremos explorar a importância das relações humanas. As relações humanas são muito importantes para o desenvolvimento de uma criança. Os seres humanos parecem ter sido criados para aprender e crescer dentro de um contexto de relação com outros seres humanos. O cérebro e a mente simplesmente não se desenvolvem sem ter sido alimentado pelas relações humanas. Sem os relacionamentos, a auto-estima, a iniciativa e a criatividade também não se desenvolvem. Mesmo as funções mais intelectuais do cérebro - lógica, julgamento, pensamento abstrato - não se desenvolvem sem uma fonte constante de relacionamento.


Através de interações, você pode mobilizar as emoções do seu filho para ajudá-lo em seu aprendizado. As emoções tornam todo aprendizado possível. Ao interagir com o seu filho de maneira a capitalizar suas emoções - seguindo os seus interesses e motivações - você pode ajudá-lo a subir os degraus do desenvolvimento. Você pode ajudá-lo a querer aprender em como prestar atenção em você; você pode ajudá-lo a querer aprender em como iniciar um diálogo; você pode inspirá-lo a tomar a iniciativa, aprender sobre causalidade e lógica, a agir para resolver problemas mesmo antes de ele falar e entrar para o mundo das idéias. Uma vez que juntos vocês abrem e fecham vários "círculos de comunicação" (uma comunicação bidirecional – ou de duas vias – entre você e seu filho) de uma vez, você pode ajudá-lo a ligar suas emoções e suas intenções com o seu comportamento (tal como apontar para um brinquedo) e, no final, com suas próprias palavras e idéias ("Me dá aquilo!"). Ajudando-o a ligar as suas emoções ao seu comportamento e às suas palavras de uma maneira intencional, em vez de aprender automaticamente, você capacita o seu filho a começar a se relacionar com você e o mundo de uma maneira mais inteligível, espontânea, flexível e calorosa. Ele ganha uma fundação mais firme para as suas habilidades cognitivas avançadas.


Crianças com necessidades especiais exigem uma prática tremenda para ligar as suas intenções ou emoções ao seu comportamento e, então, às suas palavras. É como uma pessoa destra aprendendo a lançar uma bola de efeito com a mão esquerda – elas precisam praticar a habilidade muitas e muitas vezes para dominá-la. Floortime é o tempo para praticar do seu filho. Cada vez que você se senta no chão e interage - de maneira espontânea, divertida e seguindo os interesses e motivações do seu filho -, você o ajuda a construir aquele elo entre a emoção e o comportamento, e, por fim, as palavras, e fazendo isso, continua a sua jornada nos degraus do desenvolvimento.



Fonte: Stanley I. Greenspan, MD e Serena Wieder, PhD

16 de jun de 2010

O que é Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação ?

Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação (TDC) (APA, 2000) ocorre quando há atraso no desenvolvimento de habilidades motoras ou dificuldades para coordenar os movimentos, que resultam em incapacidade da criança para desempenhar as atividades diárias. O diagnóstico pode ser feito pelo médico, que vai se certificar de que: 1) os problemas de movimento não são devidos a qualquer transtorno físico, neurológico ou comportamental conhecidos; 2) se mais de um transtorno está presente. As características das crianças com TDC geralmente são notadas primeiro por aqueles mais chegados a elas, pois as dificuldades motoras interferem no desempenho acadêmico ou nas atividades de vida diária (ex.: vestir, habilidade para brincar no parquinho, escrita, atividades de educação física). Acredita-se que o TDC afete 5% a 6% das crianças em idade escolar e tende a ocorrer mais freqüentemente em meninos. O TDC pode ocorrer sozinho ou pode estar presente na criança que também tem distúrbio de aprendizagem, dificuldade de fala/linguagem e/ou transtorno do déficit de atenção.



Aspectos Característicos de Crianças com TDC


Quando descrevemos crianças com TDC, é importante reconhecer que elas formam um grupo muito variado. Algumas têm dificuldade em várias áreas, enquanto outras podem ter problemas apenas com certas atividades. Listamos abaixo algumas das características mais comuns que podem ser observadas na criança com TDC.



Características Físicas


1. A criança pode parecer desajeitada ou incoordenada em seus movimentos. Ela pode trombar, derramar ou derrubar coisas.


2. A criança pode ter dificuldade com habilidades motoras grossas (corpo inteiro), habilidades motoras finas (usando as mãos) ou ambas.


3. A criança pode ter atraso no desenvolvimento de certas habilidades motoras, tais como: andar de velocípede ou bicicleta, agarrar bola, manejar faca e garfo, abotoar a roupa e escrever.


4. A criança pode apresentar discrepância entre suas habilidades motoras e habilidades em outras áreas. Por exemplo, as habilidades intelectuais e de linguagem podem ser altas, enquanto as habilidades motoras atrasadas.


5. A criança pode ter dificuldade para aprender habilidades motoras novas. Uma vez aprendidas, certas habilidades motoras podem ser desempenhadas muito bem, enquanto outras podem continuar a ser desempenhadas de maneira pobre.



6. A criança pode ter mais dificuldade com atividades que requerem mudança constante na posição do corpo, ou adaptação a mudanças no ambiente (ex.: futebol, beisebol, tênis ou pular corda).


7. A criança pode achar difíceis as atividades que requerem o uso coordenado dos dois lados do corpo (ex.: recortar com tesoura, cortar alimento usando faca e garfo, fazer polichinelo, segurar um bastão com duas mãos para acertar na bola, ou manejar o bastão de hockey).


8. A criança pode apresentar equilíbrio pobre e/ou evitar atividades que requerem essa habilidade.


9. A criança pode ter dificuldade em escrever. Essa é uma atividade que envolve interpretação contínua da resposta dos movimentos da mão, enquanto novos movimentos são planejados, o que é muito difícil para a maioria das crianças com TDC.



Características Emocionais/Comportamentais


1. A criança pode parecer desinteressada em certas atividades, ou as evita, especialmente aquelas que requerem resposta física. Para a criança com TDC, habilidades motoras são muito difíceis e requerem mais esforço. O fracasso repetido pode fazer com que ela evite participar de tarefas motoras.


2. A criança pode sofrer problemas emocionais secundários, como baixa tolerância à frustração, auto-estima diminuída e falta de motivação, devido aos problemas para lidar com atividades corriqueiras, requeridas em todos os aspectos da vida.


3. A criança pode evitar socialização com os colegas, principalmente no parquinho. Algumas crianças procuram crianças mais jovens para brincar, enquanto outras vão brincar sozinhas. Isso pode ser devido à baixa autoconfiança ou tendência a evitar atividades físicas.


4. A criança pode parecer insatisfeita com seu desempenho (ex.: apaga trabalho que escreveu, queixa-se do desempenho em atividades motoras, mostra-se frustrada com o produto do trabalho).


5. A criança pode se mostrar resistente a mudanças na sua rotina ou no ambiente. Se ela tem que fazer muito esforço para planejar a tarefa, depois, mesmo uma pequena mudança na forma de desempenhá-la pode representar um grande problema.



Outras Características Comuns


1. A criança pode ter dificuldade em balancear a necessidade de velocidade com a de exatidão. Por exemplo, a letra pode ser muito boa, mas a escrita é extremamente lenta.



2. A criança pode ter dificuldades acadêmicas em certas disciplinas como matemática, ditado ou redação, que requerem escrita correta e organizada na página.

3. A criança pode ter dificuldade com atividades de vida diária (ex.: vestir-se, usar faca e garfo, dobrar as roupas, amarrar sapatos, abotoar e manejar fechos de correr/zipper, etc.).

4. A criança pode ter dificuldade para completar o trabalho dentro de um espaço de tempo normal. Uma vez que as tarefas requerem muito mais esforço, ela pode ficar mais inclinada à distração e tornar-se frustrada com uma tarefa rotineira.


5. A criança pode ter dificuldades, em geral, na organização de sua carteira/mesa, armário, dever de casa ou mesmo do espaço na página.


Se a criança mostrar qualquer uma das características acima e se esses problemas estão interferindo em sua habilidade de participar com sucesso em casa, na escola ou no parquinho, é importante que ela faça uma consulta ao médico da família ou ao pediatra. O médico pode, então, encaminhá-la para um outro profissional de saúde, no centro de tratamento mais próximo. Visto que a criança, geralmente, tem dificuldade com atividades de autocuidado e tarefas escolares, esse profissional de saúde muitas vezes será um terapeuta ocupacional.


Não é incomum que os pais ou professores sejam informados de que a criança vai superar esse distúrbio (Fox & Lent, 1996; Polatajko, 1999). Entretanto, estudos têm mostrado, de maneira bem conclusiva, que a maioria das crianças não supera esses problemas. Embora estas crianças possam aprender a fazer bem certas tarefas, vão continuar a ter dificuldade com tarefas novas, apropriadas para a idade. Além disso, elas estão mais propensas a apresentar problemas acadêmicos, pouca competência social, baixa auto-estima e têm menos chances de manter boa forma física ou participar voluntariamente de atividades motoras (veja Missiuna, 1999 para uma revisão desses estudos).



Fonte: Cheryl Missiuna, 2003; CanChild, Centre for Childhood Disability Research

13 de jun de 2010

O BRINCAR COMO ATIVIDADE TERAPÊUTICA

Brincar é o principal instrumento de trabalho da terapia ocupacional infantil. É preciso então entender como ele funciona para que possamos entender melhor seu potencial terapêutico assim como as indicações que ele oferece sobre o desenvolvimento infantil.



Definir brincar é um pouco como definir amor: todo o mundo sabe o que é mas não consegue definir. É uma área estudada dentro de diversas disciplinas, tal a sua importância. Existem alguns critérios que definem quais as características que devem estar presentes para que uma atividade seja definida como brincar:



• Auto escolhido


• Motivação intrínsica


• Habilidade para suspender a realidade


• Alto gráu de liberdade associado a ele.


• Envolve mais atenção ao processo que ao produto


• Não existe um modo certo de brincar


• Importa menos o que você faz ao brincar que como o faz.


Esses ítens foram desenvolvidos pela Dra. Anita Bundy (TO) (Play in Occupational Therapy for Children, pg. 52 a 65) que desenvolveu um teste para avaliar o brincar usando os três primeiros ítens da lista acima. Embora nem sempre se use um teste, é possível por exemplo avaliar um pouco da habilidade de planejamento motor da criança através do tipo de brincadeira que escolhe. Se tem dificuldade de ideação, tende a escolher brinquedos do tipo “figuras de ação ou bonequinhos”, Legos, jogos de computador. Isto é ainda mais evidente quando teem dificuldade na coordenação. Daí então tende a preferir brincadeiras sedentárias, evitar bolas, etc. Crianças com insegurança gravitacional já gostam de brincadeiras sedentárias, mas na ausência de dificuldade de coordenação, usam bastante a imaginação em suas brincadeiras. As crianças com defensividade sensorial são muito cuidadosas quanto às texturas dos brinquedos que escolhem e com a proximidade ou contacto físico necessário em cada brincadeira.



Além desse aspecto diagnóstico o brincar oferece um meio terapêutico muito rico, oferecendo oportunidades para que a criança desenvolva habilidades novas sem ter de se expor em situações que considere de risco. Atividades lúdicas servem de campo de treinamento para atividades diárias, escolares e atividades de coordenação em geral. Dificuldades em integração sensorial podem impedir o brincar, que é a maior fonte de aprendizagem da criança. Por outro lado, o desenvolvimento da habilidade de brincar com certeza leva a uma integração sensorial mais adequada.


Quando a Disfunção de Integração Sensorial interfere nas habilidades sociais da criança

A Disfunção de integração sensorial pode afetar negativamente a socialização do meu filho em habilidades sociais?



Sim. Por exemplo, enquanto as outras crianças estão desfrutando e socializando nas salas, no parque infantil e lanchonetes, a criança com disfunção de integração sensorial pode não saber lidar com os ruídos, presente nestes locais e acaba se distanciando de outras crianças. As atividades sociais comuns à outras crianças pode ser extremamente desconfortável para as crianças com problemas de integração sensorial. Um pré-adolescente ou adolescente, com problemas de integração sensorial pode ter dificuldade em tolerar as roupas da moda, que todos os seus amigos estão usando, e pode sentir-se constrangido pois ele constantemente usa tênis velho e roupas surradas, pois não se sente confortável com as roupas da moda. Comer com outras crianças pode causar ansiedade social, quando a criança tem dificuldade em tolerar texturas diferentes, ou não perceber migalhas em seu rosto, a criança pode se sentir envergonhada. Ou, uma criança que tem uma elevada necessidade de procura sensorial pode ter problemas sociais, pois ela não consegue parar de tocar ou esbarrar em outras crianças quando está jogando, a criança tem dificuldade de observar as regras do espaço social.



Como poderia problemas de integração sensorial interfere com as interações sociais do meu filho?



Você pode ver os comportamentos sociais, como ansiedade e abstinência. Comportamento social da criança pode parecer "estranha", "nerd", "imaturo", ou "pateta". Problemas com transições, de uma atividade para o próximo ou um estado para o outro (como alerta para acalmar, para dormir completamente acordado) são outro sinal de que um filho está lutando com problemas de integração sensorial. Algumas crianças vão ficar com raiva, desafiante, e defensivo sobre os seus comportamentos de integração sensorial e são vistos como "problema" kids com "uma atitude". Por outro lado, uma criança que é um "candidato sensorial 'ser muito físico com outras crianças. Uma criança que anseia entrada tátil pode tocar outros filhos constantemente para o ponto de irritação. Uma criança que tem dificuldade com a percepção do corpo, pode encostar as outras crianças em tempo de círculo, ou frequentemente esbarrar em outras crianças.



Como podem os pais (ou outros) modificar situações sociais para que meu filho tenha sucesso?


A coisa mais importante que um pai pode fazer é adquirir inteligência sensorial. Reconhecer que a vida é um evento sensorial, e haverá muitas ocasiões em que a maior parte da entrada sensorial de nós tomamos para concedido e não notam ainda irá afetar seu filho. Respeite, seu filho precisa de integração sensorial e ensinar-lhe como ele pode satisfazer suas necessidades de uma forma socialmente aceitável. Atirando pedras em um riacho é bom, mas jogando objetos em seu irmão não é!
A segunda coisa mais importante que um pai pode fazer é ensinar a criança smarts sensorial. Crianças precisam saber que seus corpos estão ligados de forma diferente. Apenas significa que, tem que ser um pouco criativo e encontrar maneiras de satisfazer as suas necessidades de integração sensorial sem quebrar as regras importantes de interação social.
Claro, todos tem um nível diferente de conforto com a "quebrar as regras." É um tema importante para discutir com o seu filho, que enfrentará muitos desafios de integração sensorial.



O que os pais podem ensinar seus filhos com problemas de integração sensorial ?


Ensine as crianças a respeitar as suas necessidades, mas também as necessidades dos outros. Incentive-os a ser criativos na busca de maneiras de fazer as configurações sociais mais confortável para si sem torná-los menos confortável para os outros. Incentive-os a falar com você, e outras pessoas importantes, sobre as suas escolhas. Talvez seu filho pode explicar a avó por que ele escolheu para vestir calça de moletom preta e uma camisa agradável para um encontro de férias, em vez de calças cáqui scratchy com costuras. Ajude o seu filho se sentir bem sobre si mesma, apontando suas qualidades maravilhosas, e explicar que problemas de integração sensorial são simplesmente um desafio fisiológico ela tem que lidar com eles.



Como os pais podem ajudar seus filhos com problemas de integração sensorial nestas situações sociais


O planejamento é importante. Vamos dizer que você está indo para uma reunião de família. Converse com seu filho sobre o que ele acha mais desagradável sobre esses encontros sociais. Será que ele tem mais dificuldade, onde o som de muitas vozes é insuportável? Ele pode tolerar melhor se ele usar um protetor auricular ou fazer pausas freqüentes e ir para um lugar tranquilo. Ter o conhecimento de quaisquer desafios de integração sensorial, você poderá ajudá-lo a fazer uma acomodação. Se você se esqueceu de perguntar sobre o que os alimentos serão servidos, e não há alimentos que ela pode tolerar, talvez você possa ter uma corrida rápida de obter-lhe uma maçã e algumas bolachas da loja de conveniência.


Use sua inteligência sensorial para incentivar seu filho a participar de atividades dieta sensorial ele encontra calmantes e focalização. Fazer corridas, marchando no lugar, fazer flexões ou flexões cadeira contra a parede, e carregar objetos pesados são atividades que estimulam as articulações, fornecendo input proprioceptivo que muitos miúdos encontrar calmantes. Deixe o seu filho vestir roupas confortáveis, e tampões de utilização, as inquietações e outros dispositivos, para ajudá-los a calma e focada.



Lindsey Biel e Nancy Peske

8 de jun de 2010

Comentários, Sugestões e Eventos

Acredito, que o trabalho em conjunto nos faz crescer !!! Deixe aqui, comentários e/ou sugestões para as próximas postagens no blog. bjs

Por que a Terapia Ocupacional é importante para o Autismo ?

Estima-se que 60 a 70% das crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresente um distúrbio sensorial (Adamson, 2006). Estudos têm ...