23 de mai de 2011

Deixe seu Filho Ser o Chefe da Brincadeira

Quando você, durante as brincadeiras, encoraja seu filho a ocupar o centro do palco, está seguindo um princípio-chave da interação da tempo passado no chão (floortime): Deixe seu filho ser o chefe da brincadeira. Por que é tão importante para a criança comandar ? Promovemos esta regra durante as brincadeiras no chão porque queríamos tirar vantagem dos interesses naturais da criança. Trabalahndo sobre os interesses da criança, seus prazeres e seu deleite com certas posturas ou movimento, você o ajuda a se tornar objetivo e orienta sua conduta (e, mais tarde, seus pensamentos) dentro dos seus próprios desejos ou emoções. Conectar desejos e emoções com condutas e pensamentos é um passo para o raciocínio criativo e lógico.



Suponhamos que a criança está deitada sobre a barriga, segurando seu gatinho de pelúcia diante de seu rostinho e emitindo sons e gemidos. Você poderia deita-se sobre seu estômago, também de tal forma que ambos estivessem literalmente operando no mesmo nível e ela não se sentisse intimidada pelo seu tamanho. Uma vez que ela esteja demonstrando conforto e prazer ao usar sua vozinha para produzir os sons, você poderia tentar brincar de trocar sons com ela. Ou olhe bem para ela e estenda a mão para acariciar a cabeça do gatinho. Veja se ela imita seu gesto, acaricia a sua cabeça ou engatinha em busca da mamãe do gatinho. Veja se ela imita seu gesto, acaricia a sua cabeça ou engatinha em busca da mamãe do gatinho. Apenas acompanhe sua liderança e ajude-a a conduzir a brincadeira em novas direções.


Quando você trabalhar sobre os seus interesses, a ajudará a sentir-se cheia de propósito. Ela ficará orgulhosa porque está chefiando e tem domínio sobre você. Em tantas atividades durante o dia, você necessariamente precisa ter a última palavra e a crianã sente uma relativa falta de poder. Afinal, você é a autoridade final em questões relativas à hora de ir para a cama, refeições, sonecas e esquemas. Em muitos níveis, seu controle confere à criança uma noção de segurança e conforto, mas ela também possui a necessidade muito humana de seguir seu próprio caminho de vez em quando. Cedendo o controle do chão para ela, você está ajudando-a a exercitar um comportamento que expressa suas intenções de maneira apropriada. Como ela está fazendo o que quer fazer, esta prática não será forçada.


Outro grande benefício de trabalhar sobre os interesses naturais de sua criança durante uma troca de gestos consiste no fato de que você não tem de depender de novos brinquedos ou idéias mirabolantes para enriquecer suas brincadeiras em conjunto. Você logo fugiria da raia e ficaria exausto e entediado se sentisse que entreter sua criança o tempo todo. Haverá ocasiões, entretanto, que você terá que gentilmente intrometer-se na sequência da interação. Se a sua criança começa a se desligar ou mostra relutância para iniciar qualquer círculo de comunicação, seja observador e provavelmente será capaz de detectar para onde fugiram os interesses dela. Você pode então abrir uma troca de gestos em torno do que esta absorvendo sua atenção.


Quando a criança parece perder interesse em engatinhar com você ao seu lado e parece pouco inclinada a brincar, você pode lhe dar um minuto ou dois para descansar e refazer-se. Seja paciente e então veja o que irá captar novamente seu interesse. Mesmo em momentos preguiçosos, tais como ela está deitada de costas e olha para uma sombra no teto, ou está na janela contemplando o colorido brilhante das folhas, pode dar a você uma pista a respeito do motivo da sua próxima interação com você. Suas atitudes relaxadas podem levar a um forte interesse acerca das formas que ambos podem detectar no teto ou levá-los a dar um amigável passeio lá fora para contemplar a natureza.


Existe com frequência algum sinal no comportamento de sua criança - um olhar em certa direção, por exemplo - que você pode não associar geralmente com brincadeira. Se ele pára de brincar com um brinquedo, enquanto vocês dois estão lá fora, e pega um graveto ou dois que encontra aos seus pés, você pode recuperar sua interação com ele em torno dos gravetos. Se ele continua disperso, você pode tentar criar alguma novidade na brincadeira contruindo uma torre feita de gravetos. Se ele parecer verdadeiramente cansado e quiser descansar um pouco, convide-o a deitar-se em uma espreguiçadeira. Deixe-o ouvir sua voz quando você falar sobre como é gostoso densansar juntos ou simplesmente aninhar-se nos braços um do outro no momento. O objetivo é apresentar à sua criança opções e então acompanhar qualquer situação - ou inação - que ele escolha. Cada vez que você tiver êxito em estender a cadeia de interações mútuas que você troca com sua criança, estará ajudando-o a relacionar as ações dele em uma forma cada vez mais cheia de propósito. Ele acabará se dando conta de que é satisfatório dar o próximo passo ou colocar a próxima peça do quebra cabeça.


Fonte: Filhos Emocionalmente Saudáveis (Greenspan)






Por que a Terapia Ocupacional é importante para o Autismo ?

Estima-se que 60 a 70% das crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresente um distúrbio sensorial (Adamson, 2006). Estudos têm ...