14 de set de 2011

As Etapas de uma Atividade: a Escovação dos Dentes

Esta atividade compreende várias etapas: pegar a escova, abrir a torneira, molhar a escova, fechar a torneira, abrir o tubo de pasta de dente, apertar o tubo, colocar a pasta sobre a escova, fechar o tubo, escovar os dentes, abrir a torneira, pegar um copo de água, bochechar. Doze etapas para uma atividade tão simples !


Vejamos o que é solicitado a cada uma destas etapas para a criança que aprende esta atividade.


1. Pegar a escova de dentes. A escova é segurada pelos quatro dedos colocados na palma da mão e o polegar é pouco ativo: é a preensão palmar, uma das primeiras que a criança desenvolve.


2. Abrir a torneira. É necessário um movimento de mão parecido com aquele que permite desrosquear, mais complexo que a preensão da escova.


3. Molhar a escova de dentes. A criança deve coordenar seus gestos para levar a escova debaixo do jato de água.


4. Fechar a torneira. É solicitado um movimento da mão parecido com aquele que permite rosquear.


5. Abrir o tubo de pasta de dentes. Este ainda solicita o movimento de desrosquear, mas é necessária a utilização das duas mãos e é mais difícil, porque a tampa da pasta de dentes é menor que a torneira.


6. Apertar o tubo de pasta de dentes. É necessário que a criança controle a força que exerce sobre o tubo: aperte forte para que a pasta de dente saia, mas não muito, para evitar esvaziar o tubo. O movimento da criança deverá ser muito controlado.


7. Colocar a pasta na escova. Para isso, ela deverá usar as duas mãos, ou somente uma, se a escova for colocada sobre a pia. Pressionando o tubo, a criança deve colocar lentamente a pasta sobre uma superfície estreita, solicitando a coordenação olho-mão. Esta etapa demanda um bom controle do movimento e um certo julgamento para estimar a quantidade de pasta dental necessária.


8. Escovar os dentes. A criança deverá saber onde se encontra sua boca e poder levantar seu braço para segurar a escova. Para fazer o movimento de escovação, mais uma vez é necessário ter uma boa coordenação. Além do mais, a criança deve ajustar seu movimento para alcançar os dentes de trás, no alto e embaixo. Ela não poderá ter uma grande sensibilidade na boca para aceitar o gosto da pasta. Para fazer o que é solicitado, deverá compreender o que significa no alto, atrás, na frente: dito de uma outra forma, deverá compreender as palavras que se referem ao espaço.


9. Abrir a torneira. Verificar a segunda etapa.


10. Encher um copo de água. Seu gesto deverá ser suficientemete coordenado para pegar a água no copo.


11. Fechar a torneira. Verificar a quarta etapa.

12. Bochechar a água. Quando tem um líquido na boca, a criança tem o hábito de engolir. Aqui é um outro movimento que lhe é solicitado: lhe pedimos para cuspir na pia, o que era, até então, proibido no momento das refeições. É, portanto, uma nova aprendizagem complexa.


Depois desta análise, quem ousaria dizer que a escovação dos dentes é uma atividade simples para uma criança? Ela exige o controle e a coordenação dos movimentos, uma boa compreensão das noções relativas ao espaço, um conhecimento elementar de seu corpo, um certo julgamento e uma compreensão global da atividade.

Analisar uma atividade permite a você vê-la sob um novo prisma, do ponto de vista da criança. Você pode determinar qual parte da atividade é mais fácil ou mais difícil para seu filho. Nas suas primeiras escovações, talvez ele tenha muita dificuldade em desrosquear e rosquear o tubo de pasta de dente, em colocar a pasta sobre a escova de dente. Você poderá ajudar a fazer estes movimento e deixá-la fazer sozinha os outros. Você pode, assim, prever as dificuldades, mas também apreciar as capacidades de seu filho.


Analisando assim, as atividades, talvez você constate que seu filho pode fazer, em parte, diversas atividades cotidianas. Quando você tira a roupa dele, ele não pode desabotoar sozinho a calça, mas poderá talvez retirá-la sozinho, uma vez que o zíper esteja abaixado. Ele pode não se vestir sozinho, mas talvez seja capaz de tirar a roupa, o que é mais fácil, assim como é mais fácil subir e descer uma escada.


Compreendendo melhor os desafios que representam as diversas etapas de uma atividade para seu filho, você saberá pedir somente o que está ao seu alcance e estará menos inclinado a exigir que ele realize toda a atividade sozinho ou, ao contrário, a fazer no seu lugar.


Para você se familiarizar com a análise de atividade, escolha uma (por exemplo, vestir-se, tomar banho), estabeleça as diferentes etapas e determine o que cada uma delas solicita de seu filho.
Algumas atividades não comportam verdadeiramente etapas, mas exigem também diversas capacidades. Tomemos como exemplo a atividade do brincar. Frequentemente, diante uma criança que brinca, o adulto sofre de miopia grave: ele não vê o que salta aos olhos, por exemplo que a criança está tranqüila e parece gostar da brincadeira. Se observar seu filho brincando e analisar o que se passa realmente, você descobrirá tudo o que está por trás da brincadeira, atividade às vezes subestimada pelos pais. Você verá o tipo de aprendizagem que faz a criança, o estimulo que ela consegue, as capacidades que utiliza, os obstáculos que supera, e você compreenderá melhor o prazer que ela sente.



Fonte: Além da deficiência física ou intelectual um filho a ser descoberto. Francine Ferland

Preparando-se para a Escrita: Descanse o Lápis e Vá Brincar nas Barras!

As mãos da criança são uma importante ferramenta para o aprendizado. Com as mãos, ela controla o mundo à sua volta, constrói e cria tudo qu...