6 de set de 2011

Modelo DIR / Floortime

As perturbações do espectro autista enquadram-se no grupo de perturbações mais severas com que os profissionais de saúde mental infantil têm de lidar.
A gravidade das repercussões no desenvolvimento das crianças, em áreas como a socialização, a comunicação e a aprendizagem, bem como as incertezas relativamente à etiopatogenia, diagnóstico e prognóstico, fazem deste tipo de perturbação uma área de grande estudo, debate e preocupação tanto para os clínicos como para os investigadores (Volkmar & Lord, 1998).

O modelo D.I.R (Modelo baseado no Desenvolvimento, nas Diferenças Individuais e na Relação) é um modelo de intervenção que tem vindo a ser desenvolvido pelo Interdisciplinary Council on Developmental and Learning Disorders, dirigido por Stanley Greenspan e Serena Wieder, nos EUA. É um modelo de avaliação e intervenção que associa a abordagem Floortime com o envolvimento e participação da família, com diferentes especialidades terapêuticas (terapia ocupacional, fonoaudiologia) e a articulação e integração nas estruturas educacionais.

Existe um grande número de investigações e de observações clínicas que contribuem para a conceitualização de uma abordagem compreensiva do desenvolvimento de crianças com PEA e outras perturbações de desenvolvimento nas relações interpessoais e na comunicação. Estes determinam como a avaliar e intervir:

Capacidades desenvolvimentais de funcionalidade
-A partilha da atenção e a regulação;
-O envolvimento nas interacções;
-Afeto recíproco e comunicação gestual;
-Jogo pré-simbólico complexo, comunicação social e resolução de problemas, incluindo imitação e atenção conjunta;
-Uso simbólico e criativo de ideias, incluindo jogo simbólico e uso pragmático da linguagem;
-Uso lógico e abstrato de ideias, incluindo capacidade para expressar sentimentos.

Diferenças individuais
-Modulação sensorial (por exemplo, em que medida a criança é hiper ou hipo-responsiva às sensações);
-Processamento Auditivo e Visuo-espacial;
-Planejamento Motor.

Relacionamentos e padrões de interação
-Padrões de interação com o cuidador, pais e família;
-Padrões educacionais;
-Padrões de interação com os pares.

A intervenção baseada na abordagem DIR pode ser conceitualizada como uma pirâmide, em que cada um dos seus componentes constituintes é construído sob o outro.







Floortime



Floortime, desenvolvido pelo psiquiatra infantil Stanley Greenspan, é um método de tratamento que tem em conta a filosofia de interagir com uma criança autista. Floortime é baseado na premissa de que a criança pode melhorar e construir um grande círculo de interesses e de interação com um adulto que vá ao encontro da criança.


Esta abordagem tem como objetivo ajudar a criança autista a tornar-se mais alerta, ter mais iniciativa, tornar-se mais flexível, tolerar a frustração, planejar e executar sequências, comunicar usando o seu corpo, gestos e verbalização.


Note-se que floortime não é um momento para ensinar, mas sim, explorar a espontaneidade, iniciativa da criança e suas verbalizações, uma vez que o mais importante é despertar na criança o prazer de aprender.


No floortime, os pais iniciam uma brincadeira que a criança goste ou se interesse e seguem os comandos da criança. A partir dessa interação, os pais ou o adulto envolvido na terapia, são instruídos em como levar a criança para atividades de interação mais complexa, processo conhecido como "abrindo e fechando círculos de comunicação". Floortime não separa as diferentes habilidades da fala, habilidades motoras ou cognitivas, mas guia essas habilidades, enfatizando o desenvolvimento emocional. A intervenção é chamada floortime, porque os adultos vão para o chão para uma melhor interação com a criança.

Assim, a abordagem floortime é um modo de intervenção interativa não dirigida, que tem como princípios básicos: seguir a atividade da criança; entrar na sua atividade e apoiar as suas intenções, tendo sempre em conta as diferenças individuais e os estágios de desenvolvimento emocional da criança; através da nossa própria expressão afetiva e das nossas ações, levar a criança a envolver-se e a interagir conosco; abrir e fechar ciclos de comunicação (comunicação recíproca); alargar a gama de experiências interativas da criança através do jogo; alargar a gama de competências motoras e de processamento sensorial; adaptar as intervenções às diferenças individuais de processamento auditivo e visuo - espacial, planejamento motor e modulação sensorial; tentar mobilizar em simultâneo os seis níveis funcionais de desenvolvimento emocional (atenção, envolvimento, reciprocidade, comunicação, utilização de sequências de ideias e pensamento lógico emocional).


Fonte: http://umolhardiferente-to.webs.com

Por que a Terapia Ocupacional é importante para o Autismo ?

Estima-se que 60 a 70% das crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresente um distúrbio sensorial (Adamson, 2006). Estudos têm ...