30 de nov de 2012

Desenvolvimento infantil: a importância de brincar

 
 
Brincar é tão importante para a criança como trabalhar é para o adulto. É o que a torna ativa, criativa, e lhe dá oportunidade de relacionar-se com os outros; também a faz feliz e, por isso, mais propensa a ser bondosa, a amar o próximo, a ser solidária.
A criança não é um adulto que ainda não cresceu. Ela tem características próprias. Para alcançar o pensamento adulto (abstrato), a criança precisa percorrer todas as etapas de seu desenvolvimento físico, cognitivo, social e emocional. Seu primeiro apoio nesse desenvolvimento é a família. Posteriormente, esse grupo se amplia com os colegas de brincadeiras e a escola.
Brincando, as criança e os bebês desenvolvem potencialidades; elas comparam, analisam, nomeiam, medem, associam, calculam, classificam, compõem, conceituam, criam, deduzem etc.
Sua sociabilidade se desenvolve; ela faz amigos, aprende a compartilhar e a respeitar o direito dos outros e as normas estabelecidas pelo grupo, e a envolver-se nas atividades apenas pelo prazer de participar, sem visar recompensas nem temer castigos. Brincando, a criança estará buscando sentido para sua vida. Sua saúde física, emocional e intelectual depende, em grande parte, dessa atividade lúdica.

Desenvolvimento infantil: etapas do brincar

O brincar também tem suas etapas de desenvolvimento. A criança começa a brincar sozinha, manipulando objetos. Posteriormente, procurará companheiros para as brincadeiras paralelas (cada um com seu brinquedo). A partir daí, desenvolverá o conceito de grupo e descobrirá os prazeres e frustrações de brincar com os outros, crescendo emocionalmente.
Brincar em grupo evita que a criança se desestimule, mesmo quando ainda não sabe brincar junto. Ela aprende a esperar sua vez e a interagir de forma mais organizada, respeitando regras e cumprindo normas. Com os grupos ela aprende que, se não encontrarmos uma forma eficiente de cooperar uns com os outros, seremos todos prejudicados. A vitória depende de todos. Aprende-se a ganhar e a perder.

A atividade lúdica produz entusiasmo. A criança fica alegre, vence obstáculos, desafia seus limites, despende energia, desenvolve a coordenação motora e o raciocínio lógico, adquirindo mais confiança em si e aprimorando seus conhecimentos.

Escolhendo os brinquedos para as crianças
 
Veja algumas indicações para ajudar a escolher os brinquedos das crianças:

Interesse
É o brinquedo que convida a brincar, que desafia seu pensamento;

Adequação
Deve atender a etapa de desenvolvimento em que a criança se encontra e suas necessidades emocionais, socioculturais, físicas e intelectuais;

Apelo à imaginação
Deve estimular a criatividade e não limitá-la;

Versatilidade
O brinquedo pode ser usado de diferentes formas, explorando a inventividade;

Composição
As crianças gostam de saber como o brinquedo é por dentro;

Cores e formas
O colorido, texturas e formas diferentes a estimulam sensorialmente;

Tamanho
Deve ser compatível com sua motricidade (quanto menor a criança, maiores serão as peças do brinquedo);

Durabilidade
Brinquedos muito frágeis causam frustração não somente por que se quebram, mas também porque não dão à criança tempo suficiente para estabelecer uma relação com eles;

Segurança
Este é um dos mais importantes itens na escolha de um brinquedo. Deve ser feito de tinta atóxica, sem pontas e arestas nem peças que possam se soltar.

Quanto a brincadeira

Dê tempo para que a criança possa explorar o material, deixando que ela tente sozinha, mas estando disponível se precisar de ajuda.

Estimule sua autoestima; faça com que ela se sinta capaz de aprender, dando-lhe o tempo que precisar.

Encoraje suas manifestações espontâneas, permita que ela tome a iniciativa.

Introduza propostas novas, estimulando a resolução de problemas.

Escolha brinquedos adequados ao nível de desenvolvimento e interesse da criança.

Aumente a dificuldade se notar que o jogo está fácil demais e reduza-a se estiver além de seu entendimento;
E lembre-se: quando apresentar um brinquedo a seu filho, demonstre interesse. Uma caixa vazia, dependendo de como lhe for apresentada, poderá virar uma casa, um barco, um carro, uma torre, uma cama de bonecas, um fogão ou uma caixa vazia.
 
Sandra Kraft do Nascimento
psicopedagoga

Por que a Terapia Ocupacional é importante para o Autismo ?

Estima-se que 60 a 70% das crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresente um distúrbio sensorial (Adamson, 2006). Estudos têm ...