18 de jul de 2013

A importância de brincar

A brincadeira ajuda no desenvolvimento da criança e aproxima pais e filhos

Houve uma época em que a genética era considerada a única responsável pelo desenvolvimento das crianças. Por isso, era muito comum mães e pais deixarem seus filhos brincando sozinhos, em um canto da sala. Hoje, os especialistas acreditam que as experiências vividas pelas crianças em seus primeiros anos de vida e o papel dos adultos nessa fase são fundamentais para que elas cresçam de forma saudável. Além disso, essa interação afeta diretamente o comportamento que as crianças apresentarão na vida adulta.
Um dos momentos de maior interação entre pais e filhos é, sem dúvida, a brincadeira. Transformar a hora do banho em um momento especial, contar histórias antes de dormir e brincar de casinha são alguns bons exemplos de atividades que ajudam a tornar os pais agentes ativos no desenvolvimento dos seus filhos. Quando conduzidas por adultos, as brincadeiras podem ficar mais ricas pelas experiências e conhecimentos que eles possuem e passam adiante para os pequenos em um momento de descontração.
É importante lembrar que, além da brincadeira dirigida, a que é livre e sem regras também é fundamental para o desenvolvimento das crianças. É nesse momento que elas soltam livremente a imaginação e exploram o mundo ao seu redor. Uma criança que não brinca e que não passa por experiências lúdicas prazerosas, de descoberta e de conhecimento de suas habilidades e dificuldades na infância, tem uma grande probabilidade de se tornar um adulto com dificuldades sociais e afetivas.
Aceite o convite do seu filho, brinque e deixe a imaginação liderar os momentos que vocês têm juntos. E lembre-se: ter pouco tempo disponível não é um problema, desde que você se entregue por inteiro.
 
Fonte: http://mundogloob.globo.com/programas/area-dos-pais/materias/importancia-de-brincar.html      Por Teresa Ruas é terapeuta ocupacional especializada em desenvolvimento infantil

Por que a Terapia Ocupacional é importante para o Autismo ?

Estima-se que 60 a 70% das crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresente um distúrbio sensorial (Adamson, 2006). Estudos têm ...